Stories

Uma vez explorador, sempre explorador

Jane Cresswell e sua família tiraram nove meses de suas vidas corridas para viajar pelo mundo – começando pela Patagônia…

Sempre adoramos sair de férias em família, mas essas viagens eram apenas isso, férias, uma pausa da rotina, sentados à beira de uma piscina ou na praia. E eu achava que essas férias não eram particularmente relaxantes. Você acha que vai poder se sentar e ler um livro, mas não pode – as crianças começam a ficar entediadas. Elas não querem ir para os clubes para crianças. Elas precisam explorar.

 

 

A aventura está em nosso sangue

Para mim e para o meu marido, a decisão de partir com a nossa família em uma viagem de nove meses foi muito importante. Tivemos que tirar as crianças da escola, abrir mão dos nossos empregos e alugar a nossa casa. Mas queríamos muito fazer essa viagem e conseguimos.

Nós dois somos de famílias que adoram viajar. Meu pai trabalhou por muito tempo no exterior quando eu era criança, então, eu não tinha um ano de idade ainda quando andei de avião pela primeira vez; meu segundo aniversário foi na Espanha; aos 11 eu estava fazendo canoagem na Flórida. A família do meu marido também era bastante intrépida.

Todos os meus três filhos (agora com 8, 5 e 2 anos de idade) viajaram de avião com apenas 8 semanas de vida. Eles estavam acostumados com novas experiências, mas esta era uma coisa totalmente diferente.

 

 

Primeira parada: Patagônia

Começamos no Chile e as três primeiras paradas foram com a explora: Patagônia, Atacama e, em seguida, Ilha de Páscoa.

Em Londres, onde vivemos, eu sempre avisava as crianças para ficarem por perto e não irem muito longe. Mas eles tiveram muita liberdade na Patagônia, onde fizeram trilhas pelas florestas e caminharam sobre glaciares. Eles aprenderam a ter autoconfiança e a saber o quão longe poderiam ir e ainda assim saber encontrar o caminho de volta. Deixamos que eles fizessem escolhas: vamos seguir por este caminho ou subir por ali?

 

“O mundo ganhou vida para eles de uma maneira que nenhum livro didático jamais poderia mostrar”

 

Aprendendo a arte de explorar

Em casa, nossos filhos, especialmente nossa filha, não eram caminhantes naturais! Mas lá, encontrando novos gravetos e pedras a cada caminhada, e com a ajuda dos guias da Explora que os envolveram e deram a eles tantas informações fascinantes sobre o meio ambiente, com por exemplo, a altura em que estávamos, os nomes das plantas e os animais que viviam na região, eles estavam felizes por caminhar; simplesmente incentivados pelo ambiente. Para qualquer lado que eles olhassem, havia alguma coisa incrível para ver.

 

O capítulo do Atacama

Da Patagônia, voamos para o Atacama. Que contraste. Campos de cactos, flamingos, o Vale da Lua – as crianças lambiam o sal das rochas. Cada um dos nossos filhos tinha um “caderno de projeto”, no qual eles anotavam o que viam e o que faziam a cada dia. Eles aprenderam muito sobre a história e a geografia do Chile com os guias. Muito mais do que eles teriam aprendido na escola.

 

 

Uma lição sobre como fazer malas

De lá, nós fomos para a Ilha de Páscoa, mas infelizmente, a companhia aérea perdeu as malas das crianças! Então, eles chegaram lá sem nada, além das botas de caminhada e das roupas quentes que estavam usando, e que eram totalmente inadequadas para o clima tropical. A equipe da explora procurou na ilha e conseguiu chinelos e camisetas para eles. Mas nós não precisávamos de muita coisa. No geral, nossa viagem nos deu uma excelente lição sobre como, na verdade, precisamos de pouco para viver. Nos livramos de muitas coisas antes de partir e ficamos com apenas três malas para todos nós em toda a nossa viagem. As crianças levaram para casa dois ou três brinquedos ou lembranças especiais em uma pequena mochila. Eles encontraram coisas para brincar ao longo do caminho.

 

A magia da Ilha de Páscoa

Da cratera vulcânica às estátuas Moai e às praias maravilhosas, toda a Ilha de Páscoa foi fascinante para todos nós. Fizemos um passeio para mergulho com snorkel e as crianças puderam pular do barco na água que tem um tom de púrpura incrível. Eles mergulharam imediatamente. E depois das nossas explorações, sempre voltávamos para o hotel, onde éramos bem recebidos e nos sentíamos reconfortados, e adorávamos conhecer outros viajantes para compartilhar histórias.  

 

 

Exploradores por toda a vida

A confiança das crianças aumentou muito desde a nossa viagem. E foi um período muito especial para a união da família. Meu filho de dois anos pode não se lembrar de nada quando crescer, mas sinto que a viagem ajudou a moldar o caráter dele. O mundo ganhou vida para eles de uma maneira que nenhum livro didático jamais poderia mostrar.

Você pode seguir as aventuras da família Cresswell no Instagram @jecresswell

 

explora Patagônia

Inscreva-se no nosso boletim informativo
Inscreva-se para receber atualizações exclusivas do explorador